Carimbó

O Carimbó é considerado um estilo musical de origem indígena, porém, como diversas outras manifestações culturais brasileiras miscigenou-se e recebeu outras influências. Seu nome, em tupi, refere-se ao tambor com o qual se marca o ritmo, o Curimbó. O Carimbó tem influência negra, presete no ritmo percussivo einfluências portuguesas (os estalos dos dedos e palmas melódica do colonizador. Surgida em torno de Belém na Zona do Salgado (Marapanim, Curuça, Algodoal…) e na Ilha do Marajó, pasou de uma dança tradicional para um ritmo moderno, influenciado à Lambada e ao Zouk.

Na forma tradicional, é acompanhada por tambores feitos com troncos de árvores. Aos tambores se dá o nome de “Curimbó”, uma corruptela da palavra Carimbó. Costumam estar presentes também os maracás.

Nos anos 60 e 70, adicionaram-se ao Carimbó instrumentos elétricos (como guitarras) e influências do Merengue e da Cúmbia. O ritmo tornou-se popular no Nordeste do Brasil e gerou a Lambada, que espalhou-se para o resto do mundo (que ironicamente foi popularizada por um grupo boliviano, Los K´jarkas).

A formação instrumental original do Carimbó era composta por dois Curimbós: um alto e outro baixo, em referência aos timbres (agudo e grave) dos instrumentos; uma flauta de madeira (geralmente de ébano ou acapú, aparentadas ao Pife do Nordeste), maracás e uma viola cabocla de quatro cordas, posteriormente substituída pelo banjo artesanal, feito com madeira, cordas de nylon e couro de veado. Hoje o instrumental incorpora outros instrumentos de sopro, como flautas, clarinetes e saxofones.

Sendo a música preferida pelos pescadores marajoaras (ainda não conhecida como Carimbó) o ritmo atravessou a Baía de Guajará com esses pescadores e veio dar em praias do salgado paraense. Em alguma região próxima às cidades de Marapanim e Curuçá, o gênero se solidificou, ganhando o nome que tem hoje. Maranhãozinho, no Município de Marapanim; e Araquaim, em Curuçá, são dois dos sítios que reinvidicam hoje a paternidade do gênero “Carimbó”, sendo o primeiro o mais provável deles. Em Marapanim, na Região do Salgado, Nordeste Paraense, o gênero é bastante cultivado, acontecendo anualmente o “Festival de Carimbó de Marapanim – O Canto Mágico da Amazônia”, no mês de novembro.

As mulheres dançam descalças e com uma saia que vai até o pé. A saia normalmente é de cetim ou também pode ser de seda e outros tecidos.

Fonte: Wikipédia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: